O trabalho de Indução consta do Livro de Leis e por ele se faz a absorção e desintegração de cargas negativas e não de espíritos obsessores, sendo indicado para ajuda na solução de problemas ligados à situação material, especialmente de ordem econômica. Por isso, a incorporação é tranqüila, sem comunicação nem gritos e gesticulação harmoniosa.

Apesar disso, não é permitido às gestantes e às crianças com menos de dez anos passarem na Indução. O perigo para as gestantes reside na natureza das energias ali manipuladas, que podem provocar a liberação das cargas negativas que prendem os elítrios ao feto, a partir do terceiro mês de gestação, provocando o aborto por ficar perdido o objetivo daquela reencarnação. Quanto às crianças, por não estarem com seus plexos preparados para receberem aquelas forças, podem sofrer graves distúrbios no plexo físico.

Na corrente formada pelos Aparás e Doutrinadores passam as cargas a serem, depois, manipuladas pelos Pretos Velhos, então incorporados. O passe magnético, apesar de ser também distribuído pelo aton, difere do aplicado na Junção: são necessários somente os três mestres – o Comandante e as duas balizas -, podendo ser acrescentado um Mestre Adjuração, mesmo sem indumentária, de preferência o que fez a defumação, para aplicar mais um passe.

Na Indução, os três passes são de naturezas diferentes: o 1º, aplicado pelo Comandante, é de limpeza da aura do paciente dos resíduos que restaram do início do trabalho, onde foi formada a Corrente; o 2º, aplicado pela Ninfa Sol, é de energização do interoceptível do paciente; e o 3º, aplicado pela Ninfa Lua, é de uma força de cura, projetada pela sua Preta Velha através de suas mãos, terminais energéticos.

Não é permitida a presença de mestres e ninfas de indumentária na corrente magnética da Indução, pois existe sempre o risco de serem suas indumentárias impregnadas com cargas pesadas.