O Angical é um Trabalho realizado somente uma vez por mês, específico para a passagem de espíritos cobradores. O nome Angical deriva de um arraial que existia no sul da Bahia, primeiramente chamado Abóboras; neste arraial e redondezas, no período compreendido pelo Brasil Império, milhares de espíritos (muitos dos quais por dois períodos encarnatórios), encarnaram provocando grandes desatinos, consequentemente gerando tristes carmas, haja visto os inúmeros dramas desenvolvidos
no palco da vida escrava…

Grandes realizações, também tiveram lugar nesta região, como pode ser observado na “História das Princesas”, porém, aqui vamos nos ater unicamente ao processo que resulta no Trabalho de Angical.

Nossos Mentores, quando dispúnhamos da condição Mediúnica necessária, autorizou este Trabalho, adequado para a vinda destes espíritos com os quais contraímos débitos, para a rica oportunidade do reajuste.

Com a afirmação do Trabalho, o mundo espiritual estendeu o alcance do Ritual, também a outros períodos cármicos particularmente vividos pelos componentes desta Tribo, o que o torna um Trabalho Específico dos Médiuns da Corrente. (Texto retirado do livro “Leis e Chaves Ritualísticas”)

“(…) Os mais esclarecidos buscam os que ainda estão nas Trevas ou no alcance de suas cobranças. Agem, se esclarecem e voltam para Deus, em busca de suas origens; são espíritos que já sofreram tanto que, às vezes, evoluem com os primeiros esclarecimentos dos Doutrinadores e dos Aparás.

Seção de Angical é uma benção de Deus. É suficiente uma camisa xadrez, uma fita e sua identificação, ou uma saia de chita e uma blusa preta; esperar que os Mentores os tragam até aqui, desde que se faça a Abertura às nove e meia da noite. Seu encerramento não tem hora determinada. Um Apará e um Doutrinador fazendo uma Corrente Magnética, têm a permissão de Deus de retirar um “Elítrio”, conforme seu merecimento.

Porém, o fato é que há necessidade nos planos espirituais que estes espíritos voltem para Deus. Tudo, sem dúvida, na LEI DO AUXÍLIO, que é a única maneira de chegarmos a Deus!

Com carinho, a Mãe em Cristo, Tia Neiva.”

UNIFORMES:

MESTRES: Calça marrom (do uniforme de jaguar), camisa xadrez de manga comprida, placa de identificação do mentor (Preto Velho ou Princesa) e Fita.

NINFAS: Saia estampada ou chita, de fundo escuro, godê duplo, lisa; blusa preta (uniforme de jaguar), sem morsas, placa de identificação do mentor (Preto Velho ou Princesa) e Fita.

INÍCIO DO TRABALHO: 21H30.

AGENDA DE REALIZAÇÃO EM 2017
Salve Deus.