Na antiga Índia, os monges partiam em jornadas pelas pequenas aldeias. Seguiam aos pares em fila “indiana”. Ao chegarem nos povoados, realizavam invocações e realizavam muitas curas.

No Plano Espiritual, esses Mestres Indianos formam grandes Abatás e vão aos povoados do etérico, sob a guarda dos Cavaleiros da Legião do Divino Mestre Lázaro, e atraem espíritos necessitados para seu raio de atuação, permitindo que os Cavaleiros os envolvam magneticamente e os resgatem das regiões mais sombrias.

O hino de Pai João, cantado na partida de cada um de nossos Abatás no Vale do Amanhecer (Na Era dos Oito), é uma referência a encarnação de Pai João como escravo nascido na Índia (Pai João teve duas encarnações como escravo, em uma delas nasceu na Índia, sendo capturado e escravizado posteriormente).

“Quisera poder mostrar a vós as correntes magnéticas dos Abatás que se elevam ao Canal Vermelho permitindo à Koatay 108 curas luminosas de povos, rompendo guerras, renovando vidas sobre a Terra. Que teu poder cabalístico, filhos meus, não vos desampare nas vossas necessidades materiais.”  – Mensagem do Ministro Yuricy em 27 de novembro de 2004.

“Grupos enormes fazendo Abatá, outros emitindo aqueles enormes sermões quando Umahã me despertou dizendo que aqueles não eram os mesmos de todos os dias. Que aqueles sermões ajudavam aquele povo. Uma das coisas mais bonitas que vejo ultimamente são os Cavaleiros Caçadores da mesma Legião de São Lázaro. E acredite meu filho, que estamos chegando no tempo dos Caçadores. Mas, para chegar esse tempo, do ABATÁ dos Caçadores é preciso que o Jaguar conheça bem seus sentimentos, suas vibrações e se desarme contra seus vizinhos, sabendo que o homem luz só está evoluindo quando não se preocupa com o seu vizinho.” –  Tia Neiva em “2ª Carta da Corporação de Mestres Adjuntos” em 11 de setembro de 1.984

Segundo o Livro de Leis e Chaves Ritualísticas, o Abatá é um trabalho de forças que deslocam eflúvios curadores, da Legião do Grandioso Mestre Lázaro. É, também, uma energia vital extra-etérica, manipulada na Conduta de uma Emissão. São forças centrífugas que podem fazer um fenômeno físico. É também uma força esparsa para os que gostam de brincar.

Este trabalho engrandece muito o médium em sua vida material. Se muitos abrirem suas emissões, aumentarão suas heranças transcendentais e os fenômenos vão aumentando e iluminando.

É um trabalho indiano dos homens andarilhos que diziam: ‘No ciclo de um Abatá tem um povo celestial: médicos, curandeiros, enfermeiros, negociantes, enfim, tudo o que o homem precisa na sua hora’.

O Abatá é válido por uma Consagração perfeita. O Abatá cura todas as dores. A participação no trabalho é espontânea, cabendo ao Mestre Comandante formar o seu Aledá. O trabalho deve ser composto por número de mestres na contagem ímpar.

O trabalho é realizado das 10h às 12h ou entre 15h e 19h, cabendo ao Mestre Comandante decidir entre os horários, o que melhor lhe convier.